Muita gente passou réveillon sem luz e água

domingo 06 janeiro 2019
Home > Bahia, Manchete

Nos principais destinos do litoral sul, como Arraial D’Ajuda, em Porto Seguro; ilhas de Boipeba e Morro de São Paulo, no arquipélago de Tinharé; e Olivença, em Ilhéus. As principais tormentas são em decorrência da falta de água e energia, além de problemas na coleta de lixo.

Todo verão é a mesma coisa: a população flutuante de Arraial d’Ajuda, um dos destinos mais procurados do Brasil, aumenta. Como consequência, o abastecimento de água, que é obsoleto, entra em colapso e a comunidade sofre com a escassez.

A população da ilha de Boipeba e do Morro de São Paulo, em Cairu, também vive dias ruins por conta da falta de água e energia, que afeta as ilhas na alta temporada e neste ano está ainda mais intensa.

Banhistas sem água

O problema mais grave é relativo ao abastecimento de água, com mais intensidade em Boipeba, onde nativos e turistas não veem jorrar o líquido nas torneiras há oito dias, e de forma pontual em Morro de São Paulo.

Em Boipeba, a falta de água faz pousadas perderem hóspedes e reservas. As que ainda têm água estão racionando, o que tem irritado os turistas. Restaurantes atuam no limite, com reservatórios próprios e fazendo economia.

A Embasa informa que a falta de água em Boipeba ocorre devido a quedas no fornecimento de energia por parte da Coelba, que atribuiu as interrupções do sistema à sobrecarga na rede elétrica devido ao fluxo de turistas. Depois de tantos anos, a empresa já deveria se preparar para o aumento, que acontece todo ano.

Lixo nas ruas

Em Ilhéus, turistas e veranistas sofrem nas praias das zonas norte e sul. Em Ponta do Ramo, Mamoam, Ponta da Tulha e nos condomínios Barramares, Jóia do Atlântico e Mar e Sol, entre outros, a má coleta faz com que o lixo seja descartado às margens da BA-001.

Em Olivença, não houve coleta de lixo por 5 dias após o Natal. Somente na noite de quinta caçambas e caminhões compactadores chegaram ao balneário para recolher toneladas de lixo acumuladas pelas ruas.

“O acúmulo de lixo provocou mau cheiro em várias partes do balneário,” contou o morador Magno Adriano Céu Oliveira ao Jornal das Sete, da rádio Morena FM, de Itabuna. Ele acrescentou